O Homem sem qualidades

Hoje o suplemento ípsilon faz um grande destaque ao Homem sem Qualidades, de Robert Musil e com uma entrevista ao tradutor João Barrento.

Não lhe parece que o tempo em que vivemos, marcado pela rarefacção de um real que possamos sentir como nosso, acaba por ser um tempo adequado à leitura deste livro?

É verdade. Desde que o leitor actual esteja disposto a ler um livro denso, e que ficará com umas duas mil páginas que é o tamanho da “Recherche” do Proust. Pode levá-lo para férias e lê-lo no Verão.

Quem comprar logo os dois volumes, pode sempre aproveitar nestes dias este desconto.  Ou o prazer da leitura.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s