Descentralizar a tela

Para além da “preservação e exibição”, também gostaria que estivesse na visão da Cinemateca de Lisboa a descentralização. Será assim tão difícil ceder cópias de cópias de filmes para que estas sejam exibidas noutras salas? Sim, já não falo dos originais. Será assim tão difícil? Serralves (que tem um pequeno Sabor de Cinema (em Abril, teremos Victor Erice e o Espírito da Colmeia)) não terá meios para ter um ciclo de vez em quando? O que seriam oito filmes num mês, já falo em sessões de sábado e domingo? Quando chegará o tempo em que a Cinemateca será portuguesa e não só de um espaço populacional? Não será tempo de tirar a lanterna do baú? (Não me canso).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s