De Beauvoir

 

Porto, Janeiro 2008.

No ano em que passam cem anos do nascimento de Simone de Beauvoir, regresso ao Sangue dos Outros. Releio os sublinhados. É curioso. Se voltasse a lê-lo hoje, não seriam certamente os mesmos sublinhados.

Página 56, traduzida por Miguel Serras Pereira.

“Isto não adianta nada”, disse ela. Encostou-se a uma árvore. O tronco estava a escorrer de nevoeiro líquido, gotas geladas caíam dos ramos nus; Hélene sentia o frio que fendia cada fibra do seu corpo. Retomou a marcha. “Isto não adianta nada”, repetia ela. De toda a maneira, ficava-se no mesmo sítio, como nos pesadelos. Progredir, recuar; não havia meta.

One thought on “De Beauvoir

  1. a questão dos sublinhados é muito interessante, sobretudo quando os sublinhados se mantêm porque a realidade exterior não se modificou. Já reparou que “os sublinhados que não seriam certamente os mesmos” foi porque fomos outros (espero sempre igualar ser outro a a crescer- como gente- embora saiba que nem sempre é assim.)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s