A noite da lanterna mágica

Em poucas horas partem os “meus” cineastas. É uma noite negra que atravessa nestes dias o cinema, uma noite da lanterna mágica. Antonioni jogou a sua última partida de xadrez com Bergman, vão ficar ligados um ao outro por este momento também. Agora o cinema (àquele que termina com um a de alma) perde dois reis. Ninguém, a meu ver, filmou a Morte como Bergman e ninguém filmou a Solidão como Antonioni. Não sei o que pensaram Godard, Resnais e Rohmer face a estas perdas, mas o silêncio é enorme para caber num cinema, em que a memória impera, também. (Por mais que tentasse , as palavras ficam aquém).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s