Vim de tão longe por beleza

 

Vim de tão longe por beleza. Lian Lunsun viajou até Sidney ,em Janeiro de 2005, para filmar o concerto”Came so far for Beauty”, um tributo a Leonard Cohen. O dvd “Leonard Cohen – I’m your man” é o resultado, um documentário sobre o poeta que desceu das montanhas com a sua Lorca. Várias são as participações. Nick Cave começa por dizer que se sentiu a pessoa mais fixe do mundo por ter descoberto a música que lhe separava de todos. Descoberta esta feita em Wangaratta. (If you want a lover  I’ll do anything you ask me to And if you want another kind of love I’ll wear a mask for you If you want a partner Take my hand Or if you want to strike me down in anger Here I stand  I’m your man.) Cohen diz que passa um ano a ver uma canção, faz pelo menos 10 versões  das suas canções.  Segundo o poeta, é mais fácil, quando não se espera ganhar, ouço então Thousands Kisses Deep. Rufus Wainwright fala dos seus fatos Armani e não me interessa muito  saber dessas vestes. Cohen lê-nos a sua apresentação da “insolação” chamada Beautiful  Loosers que fez aos leitores chineses, agora que um tradutor chinês corajoso a traduziu. A humildade a atravessar todas as suas palavras. Fala-nos dos poetas chineses do vinho, do amor ,da amizade, e das canções antigas. Interpretação muito emocionada de If It be Your Will de Antony. Bono diz que Cohen “entende-te em todas as fases”. Nick Cave e a sua Suzanne e Jarvis Cocker com uma versão estupenda de  I Can’t Forget. Mais adiante o monge na sua formalidade, partilha-nos a história da sua fuga do centro zen, do Mount Baldi. Ainda continuo a achar que Jeff Buckley tem a versão mais bela de Hallelujah. O escritor remata com a ironia ,de sempre, para o final : talvez se voltar a fazer uma digressão, o que não é uma má ideia, o que me apela cada vez mais. Enquanto…enquanto bebemos. Era muito bom para ser verdade. Emocionados, a banda dos U2 acompanha Cohen em “Tower of Song”.  Não se espera muito deste documentário, muito aquém de um documentário de uma verdadeira homenagem à genialidade de Leonard Cohen. Quando o seu pai faleceu, aos nove anos, Leonard procurou um laço do seu pai, abriu-o,deixou dentro dele uma mensagem e enterrou-o no quintal. Talvez uma oração.

Não precisamos de ir muito longe por beleza. Basta fazer play nos seus discos. Play again, Cohen.

(De cada vez que agarrares o amor perderás um floco de neve da tua memória)

2 thoughts on “Vim de tão longe por beleza

  1. Pingback: vim de tão longe por beleza « Errância

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s