At the heart of it all

Amigo, a longa noite sempre acaba
e por vezes é tão triste acordar e perceber
que juntos fizemos o solitário caminho
para o escuro de cada um. Como nos apela
essa travessia incerta pelo avesso de um desesperado
desejo de viver. Ao início há outro modo de encanto

que, uma vez esgotado, de novo se refaz:
sofreremos em comum o nosso tempo na cidade
e tudo o que dele pudermos compartir: a música,
a esquiva beleza de um verso, o sentimento
das coisas que entretanto perdemos
ou nunca chegámos a ter. Mas tu bem sabes

que a última canção desemboca fatalmente
no silêncio mais cruel – o que trazemos connosco
e não podemos sanar. Abre por fim a janela,
repudia outra vez o cansado mundo e o dia
que gastámos de antemão nessa  funda vontade
de não estar, nada ser, nada sentir.

 
Rui Pires Cabral, Longe da Aldeia, Averno, 2005.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s