Apontamentos # 8

 

de Im Lauf der Zeit, Wim Wenders.

O tempo do podcast:Os meus trinta minutos (aproximados para mais) de autocarro para o trabalho e os meus trinta minutos (aproximados ainda mais) de volta para casa são quase sempre preenchidos entre músicas que revisito ou descubro e podcasts. Na minha última ida e volta deu para ouvir a última emissão do Vidro Azul. Já desconfiava que fosse muito bom, agora fiquei com a certeza. Via este programa fiquei a conhecer The Czars,Richmond Fontaine e Hem, que desconhecia por todo. E que maravilha! Numa palavra:Imperdível.Outro programa que estou acompanhar é o CineCast. A última emissão é, em grande parte, dedicada ao Tarkovsky. Aos poucos vou me mergulhando, cada vez mais, neste mundo. Enfim, não há salvação possível para mim. (Amanhã já sei como vai ser a minha viagem).

O tempo dos livros:No meu último passeio, de hora de almoço,pela Fnac trouxe, por impulso, uma antologia de cartas, de cartas suicidas, intitulada vou me embora, organizadas e comentadas pelo historiador de medicina e jornalista Udo Grashoff. Interessa-me o género epistolar, não tanto pelas tais características que estão vinculadas à elas mesmas, mas sim pela sedução que pode estar numa carta, o silêncio que pode pairar toda uma carta, as margens de tudo o que é dito. Tenho pena que não haja mais livros a abordar, ou melhor, mais livros com cartas dentro. E há uma série de autores, estrangeiros e portugueses, que gostaria de ver as suas cartas publicadas, numa edição de chancela portuguesa.

O tempo dos filmes: Fui ver M ,de Fritz Lang. Ingenuamente contava eu com uma versão alemã do filme,pois sim, toca a levar com uma dobragem e uma legendagem em castelhano. Fogo, por vários minutos, quis muito que o filme fosse mudo.Também gostava muito de saber como faço para ver este filme. Fogo, fiquei mesmo com vontade de vê-lo. Parece ser belíssimo. E sendo uma homenagem ao Ozu, tudo indica que assim seja.

O tempo que gostava de ter para ver exposições: Não sei como vou fazer para seguir o rastro da pintura de Helena Almeida, está por um fio, em Lisboa. Nem sei como vou fazer para ver os quadros de Frida Kahlo. Agora Ingres poderia estar tão perto, mas não, está em Louvre. Falta-me tomar o comboio, sem hora marcada.

O tempo dos sons: Neste momento, ou melhor, neste fim-de-tarde visitei quase todos os álbuns dos Morphine. Estou presa nesta onda jazzisticamente low, fantástica. Cure for pain,the night,good,like swimming,yes.

Let’s take a trip together
Headlong into the irresistible orbit
Breathing the cold black space
With the glistening edges
Let’s take a trip me and you
Let’s go the scenic route
Get to finally (x3)
Get to know each other
Just to be alone (x2)
Just to be alone with thee
Somewhere there’s no distracting breeze of information
Leaking through the windows dripping from the trees
Somewhere there’s no earthquakes
Of other people’s anxious questions
No nervous wrecks going down (x2)
Let’s take a trip together
Headlong into the irresistible orbit
  

4 thoughts on “Apontamentos # 8

  1. Olá, estou procurando o livro que vc cita aqui ” vou me embora ” aqui no Brasil eu não consigo encontrá-lo de forma alguma. Você sabe como faço para adquirir essa obra?

    Forte abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s