Domingo


Hoje sabe me bem ouvir o Tom Waits, e imaginar que estou num café nova-iorquino, com tantos espelhos que um certo quadro de Hopper, e neva. Ainda estou lá, não sinto a minha ausência aqui. Hoje não há margem bruta, nem depreciação, que me tire de casa. Filmes, em cartaz, à minha espera. Livros que não leio. Faltar ao trabalho com a justificação que é doente por cinema é mais que justificativo, não é? Como gostaria de ter estado nesta quinta-feira, salvo erro, na Cinemateca de Lisboa para ter visto Senso.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s